Arquivo de Clubes >> Estados >> Distrito Federal >> Guará

 

CLUBE DE REGATAS GUARÁ

guara.jpg (20598 bytes)

Fundação 09 de Janeiro de 1957
Endereço QE 4AE 1
CEP 71010-004 Guará/DF Tel. (61) 9823057 e  381-3344 / 381-9007
Estádio  Antônio Otoni (CAVE) - 2500 -
Uniforme Camisa amarela e preta, calção amarelo e meias amarelas
Títulos Campeão Estadual 1996
Internet
Torcida Guará
Guará

2005  Em 2004, o Guará lutou para não cair, e pretende evitar a queda novamente. A novidade é o técnico Risada, campeão da segunda divisão do brasiliense em 2004 pelo Paranoá. 

2004
O Guará importou a comissão técnica e oito jogadores do Paranoá, vice-campeão brasiliense da Divisão de Acesso, com a esperança de virar celebridade no Campeonato Brasiliense de 2004. Sob a gestão de Fábio Simão, ex-braço direito do presidente do Brasiliense, Luiz Estevão, o Lobo foi um dos primeiros clubes a iniciar os treinamentos, ainda em dezembro do ano passado, em dois períodos. O atacante André, de 24 anos, por exemplo, veio do Inter de Bebedouro, interior de São Paulo, enquanto que o volante Fernando, de 30 anos, estava no XV de Novembro. 

2003 -  O grande reforço, por enquanto, está fora de campo. O presidente Divino Alves, presidente do PMDB local, levou o amigo e eminência parda peemedebista Fábio Simão, ex-sócio e braço direito de Luiz Estevão no Brasiliense, para o posto de diretor de futebol. O cartola foi um dos criadores do emergente clube-empresa até a saída, em 2001, depois de uma briga por divergências políticas. ‘‘Não tinha sentido voltar para lá. O Brasiliense é um time consolidado até com carreira internacional. Sou um homem de planície’’, alega Simão, que até hoje nega a briga com o ex-chefão.   Os objetivos do Guará são voltar a figurar entre os quatro primeiros no Campeonato Brasiliense, o que não aconteceu nos últimos três anos, e tentar uma vaga na Série C do Campeonato Brasileiro. ‘‘Vamos assustar os grandes’’, promete Divino Alves. ‘‘O trabalho será melhor no ano que vem. Estamos entrando num time dez dias antes da competição’’, ressalta Simão.

2002 - O Guará, comandando por Déo de Carvalho, jogou já com seus reforços para 2002: o goleiro Alexandre, os zagueiros Júnior e Ricardo, os meias Mariozan e André, além do lateral-esquerdo Edinho, todos com passagens por bons times do DF. Time base: Alexandre; Estevão, Ricardo, Júnior e Fernando; Edinho, Alysson, Marquinhos Brazlândia, Vagner, Mario Zan e André. Técnico: Déo de Carvalho

2001 - Depois de escapar, por pouco, do vexame do rebaixamento no ano passado, o mais antigo clube em atividade que participa do Campeonato Brasiliense, o simpático Guará, trocou de pele e de toca para lutar por seu segundo título candango,
  Sete jogadores, o técnico Remo e até o preparador físico Maranhão participaram do time do Dom Pedro II, que chegou em quarto lugar no ano passado. O goleiro Osmair, os laterais Fabinho e Luís Carlos, o zagueiro Binha e os meias Flávio Katioco e Welmo atuaram na boa campanha do time dos bombeiros, enquanto o zagueiro Paulo César saiu no começo da competição, rumo ao Náutico. Equipe Base Glédson, Fabinho, Binha, Paulo César, Luiz Carlos, Welmo, Asterson, Flávio Katioco, Ivo, Mazinho e Rincón. Técnico:Remo

H - O C.R.Guará foi fundado em 09 de janeiro de 1957 por um grupo de servidores do extinto Departamento de Topografia Urbana, órgão responsável pelas medições da futura capital federal. Entre eles estava Oswaldo Cruz Vieira, o Oswaldão, primeiro presidente do clube. Oswaldão, corintiano roxo, escolheu as cores preta e branca para o clube recém criado, além de adotar um distintivo semelhante ao do clube paulista. O primeiro grande feito do C.R.Guará foi o vice-campeonato de 1960. Depois de altos e baixos o C.R. Guará ficou durante algum tempo sem atividades esportivas. Nos meados da década de 70 o Humaitá e o Corinthians, clubes amadores da então recente cidade-satélite do Guará se uniram e resolveram continuar o legado do saudoso Oswaldão, instalando na nossa cidade o clube fundado pelo "candango". No início da década de 90 a cor amarela juntou-se às cores preta e branca e completou o pavilhão atual do clube. O Guará manda seus jogos no estádio do CAVE, que possui capacidade para 5000 torcedores, e que fica localizado na área da Administração Regional do Guará. O símbolo do clube é o Lobo-Guará, animal que era abundante em Brasília na época de sua fundação e que batizou o mais antigo clube de futebol do Distrito Federal. O principal feito do clube foi o campeonato brasiliense de 1996, quando o Guará foi campeão derrotando duas vezes a equipe do Gama. No primeiro jogo, no campo do adversário, o Lobo venceu por 1 a 0. No jogo da volta um público de pelo menos 5000 torcedores viu o Guará derrotar seu rival por 3 a 1 e conquistar o título inédito. Merece registro, também, o tricampeonato de juniores de 90/91/92.
(texto extraído do site da Torcida do Guará)

 

Nacionais

1979 - Campeonato Brasileiro - 94. Colocado (Último)
Participou ainda da Taça de Prata 80/82/83, da Série C 92 e 95 e de duas edições da Copa do Brasil

 

estaduais

  A partir de 2001: 2001 a 2005

 

noticias

Correio Braziliense

gam_vs_gua.jpg (14096 bytes)

b_info.jpg (7363 bytes)